12 de dez de 2014

Layout novo e definitivo, PROMOÇÃO e Entrevista com a autora Paloma Virício!!!

Olá pessoal! E esse dezembro lindo que veio com chuva e calor e tudo misturado hein!
Eu estou amando o clima (apesar de amar chuva *.*), mas um calorzinho pra nadar e curtir o verão é sempre bom né? Pois é, primeiro tenho que pedir desculpas pela troca interminante (dramqueen) de layout do blog, eu não estava muito inspirada, no entanto fui salva pela linda Maressa do blog Desconstruindo as Palavras que já tem experiência sensacional e resolveu me resgatar! Obrigada Mari, trabalho lindo demais no blog, pelo que eu vi o número de visitas já aumentou e o rodízio estará de pé hein!

Vocês que ainda não está sabendo da promoção que o nosso blog está realizando corre que ainda dá tempo hein!
Promoção 3 trilogias e 3 ganhadores

Com relação a divulgação, pra quem já acompanha o blog sabe que geralmente quando faço uma resenha de livro nacional eu gosto de expandir a divulgação colocando uma entrevista para que vocês conheçam mais sobre o autor e os trabalhos e não poderia ser diferente com a sensacional Paloma Virício.
 
 Eu achei tão bonitinha essa montagem, que tive que colocar!
  ENTREVISTA
 
1) Qual foi a sua primeira experiência com livros ou literatura? Você se lembra?
R= Sim! O primeiro livro que li na vida foi um chamado A Estrela Guia. Isso com uns 10 anos, engraçado que lembro da história perfeitamente até hoje. Depois li o príncipe e o mendigo e não parei mais. Só que antes lia em uma velocidade 10 vezes menor do que leio hoje em dia. (Risos) Mais foi uma experiência maravilhosa, lembro que esse livro, A Estrela Guia, me emocionou demais e foi ai que despertei para o mundo literário. Fiz até um vídeo falando sobre ele para o meu blog: https://www.youtube.com/watch?v=725PF96PnTo

2) O que levou você a decidir se tornar uma escritora?
R=Eu já escrevo há tempos. Comecei escrevendo peças teatrais para apresentar no colégio com 11 anos. Depois fui escrevendo umas poesias, músicas, mas sem compromisso profissional porque era muito nova e nem tinha noção que a escrita poderia ser uma profissão. Acredito que o dom de escrever veio junto comigo desde cedo, mas foi depois de adulta que decidi investi nisso e descobri que escrever é o que me faz bem. Tem um poema do meu livro titulado [Escrevo] que diz muito sobre isso, observe um trecho:
“Não lhe escrevo apenas versos,
Muito menos apenas palavras,
Fonemas, letras, sílabas.
Escrevo porque meu coração
Necessita da escrita, da leitura,
Necessita...” 

Poesias que sangram é meu primeiro livro publicado, mas escrevo de tudo e já  finalizei um outro livro sobre contos e uma tese acadêmica sobre literatura na Web. Ambos estão atualmente em processo de revisão.

3) O que mais te atrai em poesia? Você tem algum livro escrito em prosa?
R=Difícil explicar com exatidão. Através das poesias as pessoas podem desabafar ou passar alguma mensagem reflexiva. No meu caso não usei diretamente como válvula de escape porque Poesias que Sangram é um livro que fala mais do que simplesmente do eu- lírico. Tem poesias que foram inspiradas em outras pessoas, em personagens de livros e até mesmo criados pela minha cabeça para desenvolver determinada situação para a elaboração da poesia. Por isso, esse livro foi como um presente pessoal, algo mais sentimental, as poesias tem muito disso e me atraem principalmente pela sensibilidade que passam. Não tenho. Poesias que sangram foi meu primeiro livro publicado e não pretendo (por hora) escrever outro de poesias, versos ou afins.

4) Os antigos poetas de movimentos literários sabiam todas as formas de métrica e rima na época, você acha que faz diferença um poeta atualmente saber isso?
R=Não. Engraçado é que estava falando sobre esse assunto hoje mesmo com um amigo que também é poeta. Eu não me importo com nenhuma dessas regras (tanto que nem coloquei sumário no meu livro). Não sei se outros poetas se incomodam. Para minha pessoa o primordial é fazer com que a poesia toque o coração da pessoa que está lendo. Acho que isso é mais coisa de poeta do que de leitor...essa importância toda.

5) O que você acha do cenário literário nacional atualmente?
R=São muitas as dificuldades que o escritor brasileiro passa porque quando você é um autor iniciante muitas portas serão fechadas na sua cara, mas o importante é não desistir nunca. Acredito que a dificuldade que mais pesa é a financeira. Nem todo mundo tem dinheiro suficiente pra investir na confecção de um livro através de editoras que pedem para o autor comprar um determinado número da tiragem do livro publicado e isso dificulta bastante o ingresso de alguns bons autores em algumas editoras. Já outras não exigem essa compra de X números de exemplares, mas consegui um público e a oportunidade de lançar algo por essas não é tão simples como pode-se imaginar. Mas a publicação independente está sendo uma grande saída para aqueles que ainda não podem arcar financeiramente com grandes publicações ou estão iniciando a carreira como escritor, como é meu caso. ^^ Apesar de tudo isso, nosso cenário está muito bem representado. Conheço diversos autores brasileiros atuais que tive oportunidade de ler as obras e além de amigos ,tornei-me fã. 

6) Para escrever o livro "Poesias que Sangram" você teve inspiração de onde?
R= Busquei inspirações em diversas vertentes. Na literatura, em outras poesias, músicas, filmes, imagens, clipes musicais...paisagens, lugares. Poesias que sangram é uma espécie de presente particular para minha própria pessoa porque ele trás muito da minha visão de mundo, dos ideais, dos sonhos, felicidades e decepções que a vida proporciona ou irá proporcionar um dia. É um pedacinho do meu coração e da minha alma impressos em formato poético/ literário. Dentre as diversas posso citar Vinicius de Moraes, Charles Baudelaire, Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu, Renato Russo, Cazuza, Libra, Edgar Alan Poe...e outros tantos. Como disse, nem sempre as poesias falavam sobre algo pessoal, mas sim dos outros, então as inspirações vieram como um tornado e eu fui colocando em ordem com a criação das poesias. 

7) Quando você escreve tem alguma mania ou ritual?
R=Não. Porém há situações onde me sinto mais confortável para escrever. 
Por exemplo, eu escrevo mais rápido durante a madrugada do que durante o dia. Eu fico muito mais tranquila para escrever escutando música do que no silêncio total.

8) Depois do livro pronto, se pudesse mudar alguma coisa você mudaria?
R=Bom, durante a revisão eu mudei muita coisa no livro. É porque é aquilo...cada dia você absorve uma experiência de vida (nem que for só um ponto) e ai já viu... Mas vendo o trabalho concluído depois de todo o carinho que tive, não mudaria nada. Acredito que ficou bem satisfatório e como é meu primeiro trabalho publicado, irá somar experiência para os outros em erros e acertos. Agora ficou tudo como queria. A capa, a ordem das poesias, a ousadia de não possuir sumário e etc.

9) Tem alguma citação importante que você carrega consigo sempre?
R=Não, mas vou deixar um poema da Cecília Meireles que muito me marcou no ensino médio. Ele mostra o que valorizo a cada momento...que a vida não volta e o tempo que temos é pouco, mas precioso.

Retrato
Eu não tinha este rosto de hoje, 
assim calmo, assim triste, assim magro, 
nem estes olhos tão vazios, 
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força, 
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança, 
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?
Cecília Meireles

10) Tem alguma dica que você gostaria de deixar para os escritores que estão começando agora?
R= Em primeiro lugar gostaria de agradecer a oportunidade de responder essa entrevista. Acredito que é uma ótima forma de mostrar um pouco mais sobre meu trabalho e sobre minha pessoa para os leitores. Serei sempre grata pelo espaço, Isa. Acredito que os grandes segredos para ser um bom escritor é ler muito e escrever mais ainda. A prática leva a perfeição... é o que dizem. Acho que não existe escritor perfeito, mas essa frase pode se encaixar no sentido de que deve-se praticar com exaustão para que a escrita fique cada vez melhor, lapidada. E acima de tudo escrevam com a alma, busquem sensibilidade para passar algum tipo de mensagem independente do tipo de obra que criem.

Beijocas!




Pra quem desejar ter mais informações sobre a autora seguem alguns links!
Youtube da Paloma
Facebook da Paloma

Até mais galera!






Postar um comentário